1.

Mari Mari, 19. Fotografia & Sex Pistols & Cinema Trash. @mriczr no instagram.

sexta-feira, agosto 29, 2014

Minha religião é Beleza Americana. Meu Deus é Kevin Spacey.

Atenção: Esse é um texto pessoal e eu estou sensível. Então se você é do tipo que não lê o post, espere pelo próximo - porque receber comentários de quem claramente não prestou a menor atenção no que eu disse pode me deixar ainda mais sensível, e eu posso acabar me matando. Você gostaria que isso acontecesse? Conseguiria conviver com a culpa? Acho que não.
Estou em uma daquelas fases de vazio existencial em que até cachorros de rua me fazem chorar (isso foi só um exemplo, cachorros de rua não me fazem chorar, eu detesto cachorros).
Tudo é chato. E eu enjoo rápido demais. Me apaixono três vezes ao dia por qualquer um que me pareça um pouco menos entediante - e normalmente demoro de 5 a 15 minutos para me decepcionar.
Tudo é extremamente chato.
É uma questão de expectativa e decepção, sabe. Eu tento manter minhas expectativas baixas, mas no fundo sempre acabo acreditando que dessa vez vão me trancar em um hospício com a Angelina Jolie, ou que eu vou montar o Clube da Luta, ou que eu vou traçar um plano de vingança foda com uma caminhonete linda e espadas samurais, ou que eu vou voltar para a época que meus pais se conheceram em um Delorean prateado ou, melhor ainda, que eu vou ganhar muito dinheiro e sair por aí combatendo o crime vestida de morcego.
Mas nada disso acontece, e tudo continua um saco.
E eu penso em me matar, mas daí me lembro que Sin City está em cartaz cheio de Eva Green em cenas picantes e que eu não posso morrer sem ver isso.
...E continuo extremamente entediada.
Poderia parafrasear a loira de Beleza Americana e dizer que "não existe nada pior que ser comum", mas acho que dizer que "todo mundo é diferente" não passa de uma maneira anestesiada de dizer que todo mundo é igual.
Eu penso demais e durmo de menos, esse é o meu problema. Acabo ficando emocional quando estou com muito sono, e isso com certeza vai acabar me matando.
Fui rotulada como "diferente" a minha vida inteira, unicamente porque não perco tempo fingindo que está tudo bem o tempo todo, e isso parece incomodar profundamente a maioria das pessoas.
Pra ser sincera, mesmo que algo de fato mude, tudo vai continuar sendo um saco, porque a minha vida não é um filme, e essa é a única coisa que possivelmente poderia me fazer feliz. Kevin Spacey na minha frente, dizendo: "Você não poderia ser comum, mesmo que tentasse".

17 comentários:

  1. Mari, há muito tempo que eu não me identifico tanto com um texto como este que você escreveu, deve ser por isso que me tornei cinéfilo, porque as histórias nos filmes, perto da minha vida ordinária e enfadonha, são tão excitantes e empolgantes, que não há um dia, em que eu não me imagine vivendo como os personagens que citou e taaaaaantos outros que conheço, como o motorista do Drive, o samurai de Ghost Dog, o "excêntrico" Donnie Darko, etc...Perto dos filmes, a vida parece que perde o brilho, perde a graça.

    Eu adoro American Beauty e eu quero ter a coragem do Lester Burnham para ligar o "Foda-se" e mudar de vida, certamente ele morreu satisfeito com a sua vida depois que ele "acordou" para a realidade. (Para quem não viu o filme, parece spoiler, mas não é rsrs)

    Enfim, prefiro ficar com a última frase do que admitir a nossa absoluta mediocridade, mesmo que nos enxerguemos comuns e saibamos que somos, para algumas pessoas que se importam com a gente isso não é verdade. Doce ilusão.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas eu sou bem Lester - essa é a questão. Como falei no texto, não tento fingir - e isso atrai reprovação alheia - as vezes acabo sendo "one twisted fuck" sob os olhares dos outros. Rs
      Adorei seu comentário, que bom que gostou do texto.

      Excluir
  2. meu, é complicado este estado de espírito. eu já me sentei diversas vezes neste limbo mental e emocional, sentia-me afogando dentro de mim mesmo e putz, eu compreendo o que tu diz e sente, sério mesmo, queria ter boas palavras para guiar, mas esse soa como um momento onde tu deve encontrar o que realmente necessita, entende? eu também consegui um pouco de equilíbrio com a arte, e felizmente fui expandindo isto neste meio. é claro que ainda tenho altos e baixos, mas não é como antes.

    acho que as vezes, em momentos de escuridão sobre o coração, é preciso olhar além do horizonte, sabe? criar uma intimidade com pequenas coisas na vida que sejam doce, nem que seja a família, ou um animal, ou um amigo, um evento, uma música, qualquer coisa, mas começar daí. e uhm eu acredito que as pessoas são diferentes, mas o mundo que eu vejo, é desconhecido para tu, o máximo que podemos fazer é ler um ao outro e tentar compreender o mínimo possível.

    melhoras para tu! o vídeo ficou maravilhoso mesmo.
    xoxo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. As vezes eu tenho a sensação de que a arte é justamente o que me puxa pra baixo. Mas é que você é desenhista - a pintura é uma arte sublime,Washington. Escritores acabam se tornando assim meio emo cedo ou tarde. kkkk
      "esse soa como um momento onde tu deve encontrar o que realmente necessita, entende?" - Isso foi de mais ajuda que a maioria dos "conselhos" que me deram, viu.

      Excluir
  3. É UÓ quando estamos em fases assim, né? Eu AMÉM IRMÃOS, sai de uma crise terrível que tava vivendo por anos, e anos, aquela crise de "porque fiz esse curso? o que vou fazer da vida? mddc, me põe de volta pro começo q ta foda!" e o problema de gostar muito de filmes é esse, nossa vida parece tão desinteressante perto deles, é como se fizéssemos pouco, por mais que a gente se esforce em tentar fazer mais e mais. Cheguei no teu blog através do Cansei de Ser Nerd, por conta do blog day, e concordo com ela que você tem um espaço suuuuuper legal! :D bjs

    http://dosdiascorridos.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "o problema de gostar muito de filmes é esse, nossa vida parece tão desinteressante perto deles, é como se fizéssemos pouco, por mais que a gente se esforce em tentar fazer mais e mais." - This. Gata, vc resumiu o sentimento! kkkk

      Excluir
  4. Eu fiquei chateada sobre os cachorros Mari.
    Mas te entendi porque tenho o mesmo sentimento com gatos.
    EU
    ODEIO
    GATOS
    Mas enfim
    Eu poderia falar que te entendo mas seria tão conselho de amiga que tá ali te escutando desabafar mas na verdade não prestou atenção em nada. Lembrei por acaso de um dos meus lamentáveis posts, em que eu disse que você sabe que as coisas não estão ruins porque elas já estiveram piores, mas acho que até quem não pensa tem seus momentos de vazio (pelo menos eu espero que tenham, porque porra tu já é um pé no saco por não ter consciência de nada e ainda não sente um peso na mente por nada pelo amor de Deus vai pra puta que pariu né) e eu meio que compartilho do seu "problema", também sou dessas que pensa em tudo, e quando eu falo tudo é TUDO MESMO, e isso me atrapalha em várias coisas da vida, porque ás vezes eu empaco numas coisas que da vontade de me dar uns tapas sabe? Acabo indo além da minha própria vida, esses dias eu me peguei pensando no que teria acontecido com um cara que mora na rua, o que será que ele fez, quem era ele antes disso, dai eu percebi o que eu tava pensando e cheguei a conclusão de que qualquer dia eu vou precisar me tratar.
    Mas sabe o que funciona comigo? Justamente o que você fez, escrever tudo no blog. Eu sei que por eu fazer do meu blog tão pessoal as pessoas tem preguiça de ler, de visitar, mas pelo menos eu me sinto melhor...
    Sei que não ajuda em nada, mas fica bem :(

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amei tanto tudo que você escreveu que nem tenho muito como quotar uma parte ou comentar alguma coisa. Prêmio "melhor comentário do post" prs vc <3

      Excluir
  5. É, um porre essa coisa da nossa vida não ser um filme... Mas não qualquer filme, né Tem que ser AQUELE filme (inserir aqui o filme mais maravilhoso ever que você conseguir imaginar).

    ResponderExcluir
  6. Eu gosto de tudo como realmente é, mas nem sempre gostei.
    Talvez o que te falte seja paciência para o tempo que cada um tem. (Não que isso seja uma novidade, você se conhece muito bem).

    Se você chegar a ficar mais velha, vai poder olhar para trás e pensar: "__Nossa, como era boba e não sabia!".
    Já leu algum blog/diário bem antigo seu? Eu já li os meus, e hoje vejo como meus problemas eram nada além de coisas fáceis de superar mas me faltava maturidade para perceber. (Com isso não estou dizendo que em você falte a mesma coisa).

    Por falar em Delorean prateado, você já viu isso? https://www.youtube.com/watch?v=zq5-6PkVGCg#t=29 hahaha, muito engraçado.

    :*

    ResponderExcluir
  7. Não vou ser clichê, vou dizer o que eu acho e só. Eu acho que só alguns seres humanos conseguem ter um sentido da coisa toda do mundo, e esses, minha cara, sofrem, e sofrem muito.

    ResponderExcluir
  8. Amo seus textos, sério!
    E acho que de todos, esse foi no qual eu mais me identifiquei.
    ''Tudo é chato. E eu enjoo rápido demais. Me apaixono três vezes ao dia por qualquer um que me pareça um pouco menos entediante - e normalmente demoro de 5 a 15 minutos para me decepcionar.'' VOCÊ RESUMIU MINHA VIDA.
    Parece que ultimamente nada me agrada, nada me faz sentir feliz, se algum dia me senti assim, feliz, não sei mais. A felicidade que sinto agora dura pouco sabe, logo algo vem e me deixa mal. Eu também tenho uma amiga que me faz essas surpresas lindas e sempre fico bem. E até te entendo no 'diferente' sempre fui intitulada com isso, mas acontece que ser diferente é o meu melhor... acho.
    Espero que fique bem, tá?

    ResponderExcluir
  9. Oi, Mari!
    Pormenores que definem o conteúdo, esse é o diferencial. É mais fácil ser triste do que feliz, dá menos trabalho. A diferença não está nas pessoas, todas são iguais. A diferença está em como elas realizam as coisas. Vejo pessoas que não acreditam nelas mesmas pois se nivelam por baixo. Não se desafiam, têm medo do extremo e preferem uma vida mais ou menos. A dor humana é inevitável.
    Beijus,

    ResponderExcluir
  10. Sinceramente? Eu acho que ninguém é feliz. A maioria das pessoas fingem estar bem, tranquilas e que gostam de ser simpáticas com as outras ao seu redor. Eu sou assim na maior parte do tempo. Acho mais fácil conviver com o meu sorriso falso do que com as pessoas tentando melhorar meu humor e dizendo que "eu tenho tudo e não tenho motivos para me sentir triste". Já tentei conversar sobre isso com alguém e não deu muito certo, ai desistir e resolver assumir a "sempre feliz e simpática". Gosto de ficar sozinha no meu canto quando a crise aperta. Me isolo e tento entender o que há de errado ou achar as coisas boas que podem me animar, assim eu não saiu falando para as pessoas que não gosto do jeito delas ou da parte que eles têm em minha vida, apesar de gostar muito delas, entende? rs.
    Acho massa você expor seus sentimentos, é preciso muita coragem. Eu nunca tenho, até agora. Droga!

    ResponderExcluir
  11. Sabe Mari, prefiro não rotular, tampouco julgar. Sempre atendo a cada um da forma como ela mesma se vê. Então sempre me identifico com todos, mesmo que a pessoa seja tão oposta a mim. Porque não me influi a disparidade de comportamentos que possa existir, ou se a pessoa é comum ou diferente demais. Acho que há características peculiares em cada pessoa, que a torna essencialmente única. Eu respeito. Sei que você é. Sinto que você não precisa vestir o que não te conforta, seguir caminhos que não te apetecem. Sei que você tem o olhar próprio, a vontade própria. Não te peço nada diferente do que você já seja de fato. Eu poderia ter mil convicções contrárias as suas, mas mesmo assim daria todo o direito de você ter as tuas, sem negligenciar. Prefiro não criar estereótipos. Todos somos iguais, todos somos diferentes. Iguais porque todos buscam seus sonhos dentro de suas próprias crenças. Diferentes porque todos somos capazes de buscar da forma que melhor nos conforte. Isso que é fantástico. Não te reprovo, e nunca faria isso. Acha que não cabe a sua beleza neste mundo? Não se chateie. Você tem espaço nesta redoma maluca. Entendo a sua reflexão. É como se ninguém se importasse ou entendesse de verdade pelo o que somos realmente. E isso nos desloca, nos incita a fugir. Mas não Mari, você tem valor em ser o que é. Não precisa fingir. E sei que você nunca faria isso. Não dê valor a quem não te alcança, nem te entenda. Dê valor aos que realmente te procuram conhecer. São poucos, suponho, mas duas, três ou mesmo apenas cinco que nos olhe com respeito vale mais que mil sem nem compreender o conteúdo de nossos sentimentos.

    Você é especial. Bota um sorriso nesse rosto menina! Te respeito e vou defender sempre o seu direito de ser quem você queira ser. Aqui você tem um amigo, falo de coração.
    E por favor, não enjoe de mim rsrs

    Beijo!!

    ps: escrevo bem? Tô cansado de ouvir não Mari kkkkk De você nunca. ;)

    ResponderExcluir
  12. Não existe pessoa feliz, nao existe.

    Uma vez lendo sobre a primeira equipe de cricket do Brasil, eles definiram o cricket assim: Cricket é igual a vida monotono e com alguns momentos de emoção.

    E é isso que eu acredito: em momento felizes... e as vezes estes momentos podem ser tão espaçados que você até esquece. (Talvez foi isso que aconteceu)

    ResponderExcluir
  13. Olha, vou dizer uma coisa: até outro dia, eu acreditava que todo mundo era mais feliz que eu. Sério, eu tinha disso. Primeiro, eu sempre fui coisada com absolutamente tudo relacionado à minha aparência, eu detestava todo o meu ser externamente (em grande parte porque as pessoas sempre gostaram de enfatizar que meus fenótipos são feios, já que eu não sou branca, magra e nem tenho o cabelo liso). E tinha a questão de que meus pais viviam se mudando de uma cidade pra outra, e eu nunca tive nem um quarto pra chamar de meu, e até meus brinquedos eu tinha que me desfazer deles porque não dava pra levar tudo.
    Atualmente, tenho tentado me aceitar mais (não que eu consiga 100% do tempo, mas eu não tomo mais antidepressivos, o que é uma vitória), mas às vezes volta aquela vontade de chorar horrível e eu fico com um puta medo de estar doente de novo. É.
    Mas sabe, Mari, às vezes eu acho que às pessoas vendem muito a imagem de que são felizes, mas internamente tá todo mundo vivendo a mesma merda de mundo. Tem pessoas que eu conheço que se você olhar, você diz: "NOOOOOOSSA que pessoa de bem com a vida" mas a pessoa tá lá se entupindo de xanax.

    E Kevin Spacey na minha vida eu também dispenso, viu? Cara chato.

    Desejo melhoras nessa imensidão de monotonia e tristeza que você está vivendo.
    Beijos!

    ResponderExcluir