1.

Mari Mari, 19. Fotografia & Sex Pistols & Cinema Trash. @mriczr no instagram.

sábado, julho 04, 2015

Gabriel

A gente sabia que o Gabriel era doido pra caralho. Mas todo mundo meio que levava na brincadeira.
Nós nos conhecemos no fundamental. Sétima série, eu era novo na escola porque tinha sido chutado pra fora da última. Ele foi o primeiro a me receber numa boa, mas os outros caras não demoraram muito para me acolher depois dele.
Bem, você com certeza já levou uma nota baixa ou saiu na porrada, mas o Gabriel era perfeito. Ele fazia tudo absolutamente certo e ainda era bonito pra cacete, então todo mundo sempre gostou dele.
Éramos quatro no nosso grupo: Diogo nunca tirou uma nota acima da média na vida, Thiago era o estereótipo perfeito do gordo chato, e eu levava suspensões periódicas. E tinha o Gabriel, claro. Ele não tinha nada de errado. Aparentemente, pelo menos.
Aqui vai o que eu sabia sobre ele: Gabriel queria ser médico, o que gerava bastante discussões no grupo, já que a única chance que o Thiago tinha de pegar alguém era com o Gabriel do lado, mas a verdade é que ele constantemente trocava as festas por noites de estudo.
Ele apanhou do pai até ter mais ou menos 13 anos, quando o cara foi preso.
Uma vez nós fomos ver um filme na casa dele, e o filme era um curta de 30 minutos sobre um legista que transava com um cadáver ao som de música clássica. Depois eu fui descobrir que o filme está liberado no youtube, se você tiver mais de 18 na sua conta.
Gabriel riu os 30 minutos inteiros. E nós rimos também, só que por nervosismo. Ou então porque ver nosso amigo rindo de uma coisa tao bizarra era, no fundo, engraçado mesmo.
Isso foi há 15 anos. Agora Diogo está desempregado, Thiago está em um casamento infeliz, eu sou publicitário e Gabriel é médico legista.
Sempre fomos bons amigos sem grandes problemas, digo, era só evitar que o Gabriel escolhesse o filme e ficava tudo bem.
Toda sexta feira Happy Hour no mesmo bar. Dessa vez, discutíamos vícios. Diogo ama cocaína, Thiago ama prostitutas e eu bebo pra caralho.
- E voce, Gabriel? - Diogo insistiu. - Fala aí.
- Um vício? - Gabriel sorriu entre um gole de Whiskey e outro. - Eu...
- Nao enrola. - Eu disse.
- Ok. Eu como gente.
Diogo caiu na gargalhada. Mas durou só cinco segundo, quando ele percebeu a minha cara e calou a boca. Silencio total. Gabriel continuou:
- Nada demais. - Ele parou pra dar mais um gole na bebida - De vez em quando eu faço a autopsia de alguém muito jovem, sabe como é, aí é só pegar um pedaço de algum órgão interno que ninguém vai dar falta pra enterrar.
Thiago engoliu em seco enquanto ele relatava que já havia provado Fígado, cérebro e coracão.
- É realmente meio viciante quando você começa. - Gabriel completou.

Depois daquele dia, nenhum de nós nunca mais falou com ele.

37 comentários:

  1. Como assim nunca mais falaram com ele? Não se pode comer pessoas sem sofrer preconceitos :( poxa;

    Oi Mari *.* Sumi na neblina e voltei depois que ela passou -n. Caralho, adoro sua narrativa, objetivas, estonteantes, com aquela pitada de mistério, ironia, old school e por aí vai. Esse texto me recordou uma conversa de algum tempo atrás sobre gente comendo gente .-. Não consigo não aceitar, é estranho, eu sei, mas né.

    rs

    É isso, passe bem :D
    xoxo

    ResponderExcluir
  2. Gosto muito dos seus textos, sempre me surpreendem hehe.
    Beijos
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Oia que merda, eu acho que cliquei num link antes de carregar meu comentário e ele não foi publicado ._. Mas eu tava basicamente falando sobre como eu devo ser meio louca também, porque eu já ia perguntar que gosto tinha e se ele comia cru mesmo ou cozido. Já que estamos aqui, né? E se tá tudo morto mesmo, que é que tem? HASUHAUHAUSHUSHUAHAUSH! E daí falei que o conto estava ótimo - eu acho que você escreve de temas taboo tão naturalmente que me dá muito a dimensão de que isso tá acontecendo de fato em algum lugar, e pode ser ali no prédio ao lado, sabe? 8D me dá calafrios às vezes, hahaha! Beijão Mari :*

    ResponderExcluir
  6. Me surpreendi (como sempre) mas confesso que achei o cara mais nojento do que assustador. Mas ainda assim eu teria medo. Vai que o cara enjoa de comer gente morta e resolve experimentar uns vivos, né? Diga uma coisa, você tem um arquivo de personagens ou coisa assim? Porque se não tem, deveria. Você cria muitos bons personagens, que poderiam render muito mais coisas, sabe? Inclusive esse dr. Gabriel aí.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. "Vai que o cara enjoa de comer gente morta e resolve experimentar uns vivos, né?" kkkkkkkkkkkk né, a gente tem que pensar em tudo hoje em dia.
      Olha, como escrever pra mim não passa de um hobbie, não tenho um "catálogo" ou nada do tipo, mas as vezes gosto de enfiar personagens de um conto em outro, acho bem legal.
      Obrigada mais uma vez, Sr. Anônimx, de verdade. Seus comentários são sempre animadores e maravilhosos.

      ps: Dr. Gabriel te manda agradecimentos especiais.

      Excluir
  7. Inesperado. Não me imagino na pele dos amigos do Gabriel, mas não sei se iria me afastar. Possuo conceitos incomuns sobre assuntos incomuns, mas canibalismo não me soa como o fim do mundo. Não me comendo, está bom.

    ResponderExcluir
  8. Por trás de qualquer aparente perfeição reside segredos, muitas vezes, inimagináveis.

    E o vício de Gabriel é bem insano, porém, eu vejo que os outros vícios não são tão diferentes. Se formos pensar friamente, os vícios do narrador, do Thiago e do Diogo, embora comuns aos olhos da sociedade, são mais autodestrutivos e fúteis do que o do Gabriel. Na verdade, o vício do Gabriel é intrigante e muito mais interessante do que os do resto rsrs

    Quem deveria parar de vê-los era o Gabriel.

    Beijos Mari, fico feliz de te ler com mais frequência.

    ResponderExcluir
  9. Nojento, mas ao mesmo tempo curioso. Não posso continuar meu comentário, (os julgamentos podem me atormentar...rs).

    :**

    ResponderExcluir
  10. Posso gritar? Que conto maravilhoso, é sério estou muito feliz por ler seu blog hj, menina vc tem muito talento e não só para contos te imagino uma roteirista brilhante, o horror psicológico que imaginei nos amigos do Gabriel foi foda. Sem contar que amo essas histórias de amizade entre meninos.
    Parabéns :)

    ResponderExcluir
  11. EU COMO GENTE KKKK
    foi ótimo - história "aconchegante" - curti (y)

    Far Away From Truth
    http://farawayfromtruth.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Oi, Mari!
    Um canibal moderado!
    É nojento, vai que a pessoa está podre?
    O tempo todo que li lembrei de uma amiga. Ela faz enfermagem e gosta de filmes sangrentos. É calada, bem branquinha e se veste de forma fúnebre. Eita, vou parar de pensar coisas!
    Mari, visualizei a cara dos parsas quando caiu o silêncio.
    :)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  13. HAHAHAHAHAHAHAHA juro que levei o "comer" pro lado putaria da palavra. Mas é literal e... wow! Mari sendo mari e arrasando como sempre. Gosto do teu jeito de não trazer a tona coisas perfeitinhas. De escancarar o ser humano com toda bizarrice que habita.

    P.s.: Você perguntou no blog porque eu permaneci num namoro em que me falaram "eu te amo" na primeira semana. Bom... não compreendo muito bem aquela época da minha vida, mas basicamente permaneci pra não ter que sair de dentro do armário, sabe como é.

    BEEEEEEEIJO
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  14. Ai, morro de vontade de experimentar carne humana, sabia? :x
    Não órgãos, mas eu tenho curiosidade. Não me julgue alkjshflskdjf
    " Eu como gente", pensei que era necrófilo hahahh

    beijos
    http://voodoo-queen.org

    ResponderExcluir
  15. GENTE, que saudade de vir aqui e ler seus textos maravilhosos! #eucomogente ;)

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. Que conto sombrio, Mari.. achei incrível! Rs
    Gabriel é realmente um personagem interessante e peculiar, com estes hábitos sinistros e tudo o mais.. Realmente as pessoas nem sempre aparentam o que realmente são, e aqui este fato está retratado em um brilhante conto! Sempre me surpreendo com sua criatividade (gostei bastante do conto do post anterior, também).

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  18. A frase "Gabriel cara de pastel" nunca mais soara inocente para mim porque sempre vou imaginar um pastel de carne humana.
    Que tapa na cara, amigos.

    Novembro Inconstante

    ResponderExcluir
  19. Hannibal Lecter fellings? (apesar de que o contexto do hannibal é beeem diferente, mas foi a primeira coisa que me passou pela cabeça quando li o conto). Mesmo assim, depois da parte sobre o filme estranho que ele escolheu, pensei que o conto terminaria de uma forma bem bizarra. E bem, ótimo conto, a parte que eles caem num silêncio sepulcral depois da confissão do Gabriel: melhor parte. haha

    aguardandoocamaleao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  20. Que belos amigos, hein? Só pq o cara é viciado em comer gente (morta) ele tem que ser discriminado? HAHA, brincadeiras a parte, mais um belo conto! Quero viver pra ver todos esses contos publicados numa coletânea, viu? Enquanto leio parece que é simples escrever essas coisas, mas só muito talento pra fazer parecer fácil escrever assim. Tu escreve bem demais! ♥

    ResponderExcluir
  21. Gente... gente.... GENTE que historia (?) mais maravilhosamente maravilhosa. Ainda mais porque eu tenho um amigo Gabriel que se encaixa bem no perfil desse. Será que ele come gente também?

    Agora da licença que eu vou ler as outras historias, você escreve bem demais!!!

    ResponderExcluir
  22. Ai, que saudades dos teus textos. Como sempre, você nos envolve numa história totalmente extravagante, haha. Sua escrita é tão <3 E, coitado do Gabriel, só porque ele curte uma carne humana?

    Hey, eu voltei a escrever aqui ó: http://aeabstrato.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natalia kd vc não consegui acessar seu blog :(((((

      Excluir
  23. Geeeeeeente amei seu conto, já estava gostando da escrita mas esse final me pegou de surpresa de um jeito bem bom hahahaha

    ResponderExcluir
  24. Não sei se eu deixaria de falar com o Gabriel, mas bixo, eu ia ficar MUITO assustada hahaha ei, gostei que você voltou para o endereço antigo! =)

    ResponderExcluir
  25. Eu nunca espero conclusões normais de suas histórias. Mas é sempre reconfortante que, mesmo sabendo disso, eu sempre me surpreenda. Posso passar milênios sem te ler, mas você sempre vai me prender do início ao fim. Porque você subverte as coisas, transgride o que se costumar existir. Adoro a liberdade como toca em assuntos tão, eu diria, incomuns. O humor negro, os assuntos meio sombrios são difíceis de serem colocados em uma história se você não se sentir a vontade para tal, como é o caso do canibalismo. E você faz com maestria Mari. E tudo flui. A leitura flui. Gosto demais da tua escrita. E dos temas. O conto tem a sua identidade.

    E desculpe o termo, você continua escrevendo para caralho!! rsrs

    Sentia saudades de ti.

    Beijos,

    Alexandre.

    ResponderExcluir
  26. Caramba, adorei sua escrita =D Sério. Continueeeee sempre =D

    ResponderExcluir
  27. Conheço pessoas que já alegaram sentir fome durante a aula de anatomia... Não que eu justifique o que o Gabriel faz (ele cozinha antes, pelo menos?), mas acho que existem mais loucos no mundo do que a gente imagina.
    Não sei o que eu faria no lugar dos amigos dele porque né...

    Mas o que mais gostei na história foi o fato de que tenho dois primos que são irmãos e se chamam Thiago e Diogo... Vou ter que mandar essa pra eles, hahahaha!!!

    ResponderExcluir
  28. Ah, não tá perdendo nada, só tem conto tosco lá no meu blog - disse no chat do Facebook. Tsc tsc.

    BICHA, A SENHORA É DESTRUIDORA MESMO

    Sei lá, de repente esse conto me deu uma afliceta enorme porque quando tive aula de Medicina Legal, tive que fazer duas visitinhas básicas ao IML e quase morri HAHAHAHA Agora eu vou ficar desconfiada do meu professor, médico legista, e de todo mundo que trabalha lá D: poxa, eles parecem tão simpáticos!
    (Mas eu queria confessar que sempre tive curiosidade, nada mais além de curiosidade, em saber como é o gosto de carne humana. Sou doente?)

    Burlesque Suicide

    ResponderExcluir
  29. O mais esporádico e sensato, banido? Expressei a indignação,agora posso dizer que o final me pegou desprevenida, acreditei que alguma morte ocorreria, mas não que a revelação de corpos comidos viria à tona.

    ResponderExcluir
  30. Caralho, Hannibal Lecter fellings! hahahahahaha Ameeeei!
    Adoro muito seus contos, mano! <333

    ResponderExcluir
  31. Preciso repetir que eu amo teus contos? Não né?
    Esse foi um chute na cara, muito bom mesmo! E o Gabriel é bem louco do koo dele, isso sim HAHAHA me lembrei daquele filme, Nekromantik. E temos que combinar de escrever aquele conto juntas <3
    Besos!

    ResponderExcluir
  32. ahahahahahha, esse ficou legal... ao invés de achar bizarro, achei engraçado. Quase cuspi meu sorvete - sim, porque te li enquanto o chupava - só pra rir do desfecho. Sinistro!!!

    ResponderExcluir
  33. hauhasuahsuas. dá pra entender porque não falaram mais com ele. esse é um vicio bem estranho. pelo menos são mortos. isso meio que me lembro iZombie. gostei do tom da história. quer dizer, você a contou como um relato. quase dá a entender que é o personagem o dono desse blog. (p.s.: saudades daqui) (Emilie Escreve}

    ResponderExcluir
  34. Huummm... Eu sei que não é o espaço mais apropriado pra isso, mas: Mari Mari? Você tá ok?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todo lugar é apropriado, esse blog é um paraíso espiritual kkkkkkk
      To sendo escravizada no trabalho, pra ser sincera, mas fora isso to ok sim.
      Po, valeu pela preocupação cara. Fofo isso <3

      Excluir