1.

Mari Mari, 19. Fotografia & Sex Pistols & Cinema Trash. @mriczr no instagram.

sexta-feira, setembro 25, 2015

Polaroid

Carlos era um excelente fotógrafo. Ele sempre conseguia captar a emoção, de alguma forma, talvez em parte por causa dos seus temas excêntricos. A maioria dos projetos dele eram fotos de coisas assustadoras ou de pessoas com medo.
Eu sempre tive pavor de aranhas. Ele fez um ensaio com aranhas e me deu de presente. Eu fingi que gostei e guardei tudo em uma gaveta bem longe de mim. Carlos era meu melhor amigo desde os 11 anos, e tirava fotos com uma polaroid 363. Caso você não saiba: o filme dessa merda é caro pra caralho. Então qualquer dinheiro extra ia invariavelmente pra isso.
Um dia ele colocou uma aranha no meu braço e ficou fotografando a minha cara enquanto aquele demônio asqueroso subia pela minha pele. Eu gelei. Tentei gritar, me debater, ou jogar aquela merda no chão, mas só consegui me mexer quando Carlos acabou as fotos e tirou o animal do meu braço, com toda a paciência do mundo.
- Olha. - Ele disse, sacudindo uma fotografia ainda não completamente nítida com a minha cara apavorada nela. - Está maravilhosa.
- Vai se foder, Carlos. - Eu respondi, me levantando na direção do barbante com novas imagens penduradas, das últimas duas semanas. Aí eu deixei meu celular cair no chão e não sei se foi a adrenalina ou se realmente foi tão alto o som da tela rachando.
Crack. 
Eram umas 20 fotos diante de mim, todas elas mostravam mulheres mais ou menos da nossa idade, assustadas, tentando inutilmente empurrar alguma coisa com as mãos como se não conseguissem ver claramente o que estava diante delas. Pareciam drogadas. Algumas estavam chorando, com as calcinhas nos joelhos.
- Carlos - eu disse - Vou te dar 5 minutos pra explicar que porra é essa.
- Um ensaio sobre o medo. - Ele disse. - Eu coloco alguma coisa na bebida delas e...
- Eu não preciso ouvir o resto. Acho que eu já sei.
- Elas são minha obra prima.
- Elas são doentes.
 - Relaxa, as meninas não se lembram de nada depois.
- Eu acredito que elas devem se lembrar de alguma coisa...
- Nope. Nadinha.
- Como você sabe, seu psicopata de merda?
 - Eu fiz uns teste antes.
- Ah, é? Com quem? COM A SUA MÃE!?
- Com você.

ps: Um conto ruim daqueles que vem quando eu não tive tempo de escrever nada melhor. Se eu demorar pra responder os comentários, to enrolada.

38 comentários:

  1. Tenho a impressão de que você não conseguiria escrever um conto ruim nem se quisesse. Mas preciso dizer que se fosse a vida real e eu fosse o/a amigo/a do Carlos, ele teria morrido depois da última frase.

    ResponderExcluir
  2. Não sei pq mas me lembrou contos da cripta.

    ResponderExcluir
  3. Não sei pq mas me lembrou contos da cripta.

    ResponderExcluir
  4. Mari e sua criatividade sem fim, gostei muito, eu com certeza faria picadinho do Carlos...

    ResponderExcluir
  5. Caralho o.o que medo cara! Eu não sei se sairia correndo ou tentaria esfaquear esse cretino! Que horror!
    Pior que tem gente desse tipo de verdade no mundo D:

    ResponderExcluir
  6. Esse conto nem fui ruim.
    Na ultima frase eu parei. que fdp

    sobre o coment.: Eu não vi ainda a apresentação do Queen, acredita?! Vou dar um caçada depois :p

    Eu tô gostando de FTWD, não tanto pelos personagens (Travis me irrita demais), mas pela tensão que cada episódio está me dando. É o começo ainda pra eles né?

    ResponderExcluir
  7. Eu achei que era real e minha reação começou no momento da aranha. No meu caso, tenho pavor de jacarés (sim, provavelmente nunca encontrarei um, mas né) e a primeira coisa que passou na minha cabeça foi um bicho daquele na minha frente. Depois a calcinha arriada: "brother, que porréessa".

    Achei demais! Muito criativo :)

    ResponderExcluir
  8. Conto ruim? Tá loca? HAHAHA
    Seus contos são sempre maravilhosos, poxa!
    E, como o anônimo disse, esse Carlos não viveria pra ver um novo dia depois disso.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Esse final me deu um gelo na espinha Mari, como aquele momento em que o clima está agradável e, do nada, fecha e tudo ganha um significado mais fúnebre. Você é mestre nesse tipo de reviravolta visceral!! Foda!

    Beijos e sobre os seus problemas pessoais, ando lendo suas confissões, mas, sinceramente, eu nem comentei nada antes, porque não pensei que fosse conseguir acrescentar algo. O que me deixa feliz é que diante de suas condições adversas ainda consegue escrever contos incríveis como esse. ^^

    ResponderExcluir
  10. Contato tenso esse, tenso hahahahahahaha Ficou muito bom :)
    Beijos! =**

    ResponderExcluir
  11. Fiquei nervosa com esse conto assim que começou a falar de aranhas, tenho pavor!
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
  12. Ai que história tensa, deu um certo medo de verdade aqui hahahaha. Mas você escreve bem, eu gostei.

    http://heyimwiththeband.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  13. Carlos está morto!!! Eu mataria. Pelas aranhas, pela 'obra prima'. Gostei muito do conto!

    ResponderExcluir
  14. Ai, eu sabia que vinha alguma coisa MUITO creepy mais pro final... Hahaha! Maravilhoso Mari!

    ResponderExcluir
  15. hahaha, sabia qual ia ser o final! O pior é a cara de pau do Carlos.

    Enrolada com o que se é que me permite perguntar, estudos?

    ResponderExcluir
  16. Que perturbado esse Carlos, SOS! D:
    Pior (ou melhor, acho) é que eu nunca consigo prever o final dos seus contos, sempre fico com cara de i didn't see that coming. HAHAHA, adoro!

    Ah, e sobre teu questionamento lá no blog: eu perdi o HD com a minha história original, a fanfic foi todinha em cadernos, hehe. Um beijo!

    ResponderExcluir
  17. eu, hein. Perto de colocarem coisas na minha bebida, se bobear prefiro a aranha O_O"
    ("com a sua mãe?" HUSAHSUA melhor resposta)

    ResponderExcluir
  18. Meooooo dellllls frio na espinha total, acho que adoro e odeio seus contos porque agora estou assustada e sozinha em casa.
    Já comecei com o medo na parte da aranha porque tenho pavor a tudo quanto é insetos e aracnideos

    ResponderExcluir
  19. Mari Mari <3
    Fui só eu que vi altas inspirações em Life is Strange nesse conto? Fui só eu? Porque eu vi muitas, HAHAHAHAH! Adorei a ideia do medo, mas não me assustei muito não. Acho que meu fascínio pela mente das pessoas tá passando dos limites socialmente aceitáveis, SOCORRO HAHASHASUAS
    Na hora que li o "sua mãe?" achei que essa ia ser a resposta, então rolou uma quebra de expectativa 8D fiquei tentando imaginar a cara do outro guri (e o que será que ele estava mostrando pras garotas? Hm...)
    Queria aproveitar e dizer que li seu primeiro conto postado aqui, do Drácula, e achei ele GENIAL, hahahaha! Ri horrores, gente, melhor Drácula. Ah, e eu resenhei Psycho-Pass, então você trate de atiçar sua curiosidade e assistir <3 tenho certeza que você vai curtir pelo menos a primeira temporada, acho que é bem seu estilo Mari <3 e se ver, me conta o que achou!

    Beijo ;*

    ResponderExcluir
  20. Nossa, Mari.. ao imaginar o que se passa no conto, principalmente no final, me deu realmente um pouco de medo, rs Gostei!
    Nesse gênero você escreve mto bem, de verdade.. conseguiu transmitir um suspense e tanto.
    Não está ruim, de forma alguma.

    Um grande abraço

    ResponderExcluir
  21. Nossa. Eu entendi o ensaio sobre o medo mas quando ele disse que drogava as meninas e praticamente se aproveitava desse momento pra trabalhar a sua "arte", achei um pouco psicopata, rs. Posso viajando, mas me passou essa sensação. É quase o mesmo pensar de um assassino que planeja tudo e monta um cenário pra "exibir" sua arte, entende? Ele é louco e assassino mas aquilo pra ele é arte, rs. Enfim! Tenso e bacana, rs.

    Um beijos,
    Malu do Batom

    ResponderExcluir
  22. Chegou esse final e eu senti um ódio físico do Carlos querendo matar ele com minhas próprias mãos, então não acho que o conto esteja ruim, ah não meeeeeesmo!!!!

    ResponderExcluir
  23. Deu medo, acho que ele poderia fotografar a minha cara lendo o finalzinho! Eu já tava achando o cara um psicopata so de tirar foto de gente com medo, mas depois da parte das meninas já deu ódio dele. O pior é saber que existe gente desse tipo no mundo

    ResponderExcluir
  24. Ok, certo... O final me deixou com medo D: Achei o conto muito legal, o problema é que o mundo anda tão assim: maléfico, doentio, eu fico de coração apertado só de ler/ouvir algo assim. Mas muito bem escrito, parabéns!

    Ah! Eu gosto muito sim de Roma/Egito. Minha paixão é a História <3

    ResponderExcluir
  25. O conto não está ruim não, está muito bom!! Como sempre :D

    Gostei de saber que minhas respostas na tag combinam um pouco com as suas, porque te acho foda, kkkkkkk!
    Sobre o livro Comer, Rezar, Amar, eu fiz esse post (http://www.umcafeeumamor.com.br/comer-rezar-amar-2/) na época e acho que acrescentaria muito mais hoje, já que tive contato com yoga e meditação que na época nem sabia pra onde ia. O livro fala bastante sobre isso, sobre conseguir a paz espiritual através de si mesmo e se conseguir se concentrar em si mesmo "apesar do resto do mundo". A escritora foi patrocinada pra viajar pelo mundo e escrever uma história real e ela fez isso divinamente dividindo em 3 etapas: comer, rezar, amar :) Super indico!

    ResponderExcluir
  26. Ai eu não achei nada ruim, na boa hahahaha Vai ter continuação? Adoro esses personagens enigmáticos hahahaha

    www.vestindoideias.com

    ResponderExcluir
  27. E Carlos morreu esfaqueado por mim. FIM hahahah
    Nossa, que cretino, não esperava um final desses. E achei muito bom o conto, não tem nada de ruim!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  28. Fiquei até com medo, sabe? kkkkkkk
    Adorei o conto, achei bem inesperado. Não ficou ruim não, viu?
    bjs
    blogtrashrock.blogspot.com

    ResponderExcluir
  29. ahahha pois é ahah acho que é uma doença do século, muita ansiedade e muito strass ahahah olha te digo duas coisas, tem como ajudar sim, porém muita coisa vem da própria pessoa, emocional, pessoal, e cabe ela mesma procurar ajuda, tipo, ansiedade todo mundo tem, porém pra algumas pessoas é muito mais forte ahahaha cara, eu vivo fazendo isso no trabalho, como agora, to respondendo nos meus últimos minutos do trabalho para ir pegar busão ahahaha

    MEU QUE CONTO ahaha eu fiquei aqui, pensando o que faria no final, correria, mataria ele, bateria, sei lá.. medo, medo ahahahahaa e não tem nada de ruim o conto, ficou com aquele gosto de quero mais!

    beijos :*
    http://japona.mairanamba.com

    ResponderExcluir
  30. Que medo! E não dá pra duvidar que não existam pessoas como Carlos na vida real....

    Beijos
    Meu Outro Lado

    ResponderExcluir
  31. Nossa, adorei esse conto, ele é terrível (no sentido literal rs)! Muito nojo do Carlos.

    Agora lá vou eu pra página de contos pra ler outros contos seus!

    Beijo!

    ResponderExcluir
  32. E era o melhor amigo? WDUHWUDHQUWDHUQWHDUQWD Esse Carlos é sacaninha :D

    E tu perguntou, eu voltei *-* Vou tentar ficar mais pela blogosfera agora, se eu sumir, to enrolado também rs
    Passe beeeem Mari lol

    ResponderExcluir
  33. Ei, moça! Tá tudo ok por aí?

    ResponderExcluir
  34. MAAAAAAAAAAARI!

    Isso é ruim desde quando, minha gente? Ce é a melhor escrita de contos de toda essa blogosfera que o cosmos criou pra gente se amar.
    Adoro como, no fim, nada é o que parece.
    Saudade de ler seus textos!

    beijo
    beinghellz.blogspot.com

    ResponderExcluir
  35. O mais legal da história é que depois da última frase a cabeça não abandona o que acabou de ler. A gente fica imaginando a reação da garota, será que ele estava dizendo mesmo a verdade? Onde estão as fotos que ele fez dela? O que vai acontecer com o "melhor amigo" depois dessa? É como o anônimo disso num dos comentários acima "você não conseguiria escrever histórias ruins nem se quisesse".

    Saudades de andar por essas terras.
    Bjs, Mari.

    coracaoaflordapele.blogspot.com

    ResponderExcluir